o parto

O primeiro parto, do Si., foi na maternidade.
Apesar de nada de muito grave ter a relatar dessa experiência - a não ser a dificuldade que tive em conseguir descansar nos 4 dias em que lá passei - decidi que desta vez queria um parto em casa. No meu conforto, na minha paz. Era assim que eu queria que o Joel conhecesse o mundo. O facto de agora estar bastante mais informada do que em 2007 e de ter uma amiga doula também me ajudaram nessa decisão.
Não acho que o facto de se ter um bebé em casa seja propriamente um acto de coragem, aliás é cada vez mais comum... outra vez. Com a diferença de que hoje em dia com todos os avanços científicos, tecnológicos, as ecografias, etc, etc... é possível ter quase 100% certeza de que não vão ocorrer (em principio) nenhumas complicações na hora do parto. E mesmo que possam existir, o/a parteiro/a ou o/a obstetra que assiste ao parto em casa, a doula, estão preparados para uma série de eventualidades, e em último recurso, um Hospital estará mais ou menos "ali à mão"!
Pois é... mas existem outros factores a ter em conta. E um deles importante é que, assim como um parto numa clínica privada não é para todos... um parto em casa (com as condições modernas que referi) também não é para todos.
É caro (para mim). E isso fez-me mudar de ideias.
Não estou triste, nem derrotada. Assim será e estou confiante que tudo correrá bem... Nasça onde nascer.
Até lá... descansar o máximo foi o que o médico me recomendou (que tenho abusado um bocado!) e dentro dos possíveis, tenho ainda muito com que me entreter pois a minha "check-list" de coisas a fazer antes do parto é bem extensa...!

*Bom Domingo!*




When my imagination...


When my imagination
Takes me by my mind,
It leads me off so far, so fast,
My body's left behind.
Yet, that's when I am most myself,
Lost in wish and dream,
And coming back, I smile and think
I'm more than I might seem.

Sesame Street
By David Korr
joana soares, Maio2007
*
*
*


onda rosinha

Nem sou muito fã do cor-de-rosa (ninguém diria, a julgar pela recente "onda cor-de-rosa" no layout do meu blog!...) mas, este armário... não é o máximo???
daqui

o novo guarda-roupa

Com a chegada de um bebé, eis que surge uma nova necessidade (entre tantas outras):

...espaço para guardar mais roupa!

O pequeno armário da roupa do Si. já me obriga a separar a roupa que já não serve para deixar entrar mais a cada cerca de 2cm crescidos. Era prioritário ter cá em casa um novo armário guarda-roupa para os dois rapazes.

Fiz muita pesquisa na internet, em busca de um em segunda-mão, bonito, barato, "espaçoso" e numa zona do país a onde nos pudessemos deslocar para ir buscar. Apareceram algumas coisas mas nenhum reunia os 3 últimos requisitos. Comprar novo também estava fora de questão, que a altura não é para gastar, e fico sempre tão desiludida com mobiliário novo e barato... normalmente os materiais são péssimos e como estamos sempre a mudar de casa - e eu com a mania das mudanças nas divisões da casa (arrasta daqui, arrasta d`acolá) - estas mobílias estragam-se facilmente e têm tendência a ter um período de vida muito curto.  Decidimos então pedir ajuda ao habilidoso marceneiro da família, o Avô Zé velhinho - como o Si gosta de lhe chamar - e que já tantas coisas tem feito para nós e para a nossa casinha.

O desenho do armário foi feito por mim e sendo assim, as dimensões correspondem exactamente àquilo que precisamos. Foi pensado para ser separável em duas partes (para facilitar nas nossas mudanças!) mas que no quarto serão para ficar uma em cima da outra.

A construção do armário levou o seu tempo.
Foram reunidos materiais aproveitados de outras mobílias, algumas placas foram fornecidas por gente amiga do ramo das carpintarias... Foi portanto, um trabalho moroso, solidário e ecológico q.b. e nós estamos muito agradecidos e contentes com o resultado!

Está cá em casa desde o fim-de-semana passado, mas falta acabar a pintura... Infelizmente, a minha falta de agilidade de grávida e o pouco tempo disponível por parte do pai não estão a deixar a "obra" avançar.... E a roupinha do bebé, lavada e passada, vai-se acumulando em tabuleiros embrulhados em lençóis... : (

Espero ter fotos do resultado final para mostrar em breve!

Aguardem! ; )

 

no domingo de ramos

...ganhei uma nova habitante para a casa. Adoro estes mimos da páscoa!



Já tive várias orquídeas, umas duraram mais que outras. As últimas estiveram comigo muito, muito tempo. Detestaram a mudança para esta casa. Acabaram por não resistir e as folhas foram caindo uma a uma. À cerca de dois meses foi com uma certa tristeza que me despedi das ultimas folhas e das raízes que devolvi à terra para acabarem a sua decomposição em paz e na natureza.
Estou por isso contente com esta prenda de madrinha que recebi no dia de ramos. Embora desconheça por completo a tradição e porque se pratica (desculpem a minha ignorância), sabe tão bem receber flores... e em vaso ainda melhor!

Sobre a nova habitante:
Phalenopsis aphrodite