3.30.2010

Projecto de Design - Quarto de bebé II




Mais sobre o Projecto do quarto:

Mobiliário que era necessário incluir no quarto:
. 1 berço;
. 1 Cómoda;
. 1 Vestidor/banheira;
. 1 Poltrona para adormecer e amamentar;
. 1 Roupeiro para o bebé;
. 1 roupeiro que já existia no quarto;
. Arrumação para livros;
. Espaço para arrumação/e uso de uma impressora.

Porque as dimensões do quarto eram reduzidas, optei por desenhar um móvel especificamente para este quarto que unisse 3 funções de arrumação: roupeiro para o bebé, estante para livros e arrumação da impressora.
Quanto ao roupeiro existente (de 3 portas), com uma pintura nova e troca de puxadores foi fácil adequá-lo à restante decoração do quarto.

Roupeiro que já existia no quarto (com pintura nova, ainda sem os puxadores)

Do lado direito - o móvel que eu desenhei.
O objectivo era que os dois móveis lado-a-lado, formassem um só)

Os puxadores foram também desenhados por mim. O trabalho de madeira foi feito pelo Sr. José Gomes.
Chegaram hoje à minha caixa do correio e estão lindos! Tal e qual como eu queria!
Agora só falta pintar e aplicar nos respectivos sítios!


3.29.2010

Projecto de Design - Quarto de bebé

Iniciei este Projecto em Janeiro. Demorei a falar dele aqui pois não queria mostrar nada antes de estar pronto. Apesar de ainda não estar, resolvi que era tempo de deixar um "cheirinho" daquilo que tenho realizado nos últimos meses (não sempre e a tempo inteiro claro!).
Este projecto de decoração foi-me encomendado pela S. para o seu menino que irá nascer em Maio.
O desafio foi nada mais nada menos do que a decoração do quarto do bebé, desde a decoração das paredes, à escolha do mobiliário e todos os elementos decorativos.


A pintura nas paredes, a grande "obra" deste quarto, foi feita por mim e pela minha mãe.



Espero falar e mostrar-vos mais deste quartinho em breve.
Boa semana!



3.26.2010

a lebre

A Lebre é o animal sagrado da Primavera. Um símbolo de fertilidade e renovação.
Era também o animal sagrado da deusa teutónica da Primavera, Eostre, a Deusa Lunar que tinha cabeça de Lebre.

“Eostre era a Grande Deusa Mãe saxónica da Alvorada, da Luz Crescente da Primavera e o Renascimento da Vegetação. Era conhecida pelos nomes: Ostare, Ostara, Ostern, Eostra, Eostur, Austron e Aysos.
Esta Deusa estava também associada a lebres, coelhos e ovos. 
Segundo a Lenda*, Eostre encontrou um pássaro ferido na neve. Para o ajudar, a Deusa transformou-o em lebre, mas a transformação não se processou completamente e o coelho permaneceu com a habilidade de colocar ovos. Como agradecimento por ter salvo a sua vida, a lebre decorou os seus ovos e ofereceu-os a Eostre. A Deusa maravilhou-se com a criatividade do presente e, quis então, compartilhar a sua alegria com todas as crianças do mundo.

Os ovos são símbolos de fertilidade e vida.
Uma tradição antiga dizia que se deveria pintar os ovos com símbolos equivalentes aos nossos desejos e que um dos ovos deveria ser enterrado, como presente para a Mãe Terra."

* Existem várias versões desta lenda.

Relativo à lebre, à sua relação com a lua, e à própria “ressureição”, deixo o link para um texto muito interessante que pode ser lido aqui.


Fontes de pequisa: 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Eostre
http://pt.wikipedia.org/wiki/Páscoa 
http://filhadasagradadeusa.blogspot.com
http://www.sacred-texts.com/astro/ml/ml08.htm

3.22.2010

REVISTA VEGETARIANA IV

A 4a Edição da Revista Vegetariana do Centro Vegetariano já está disponível!
Mais uma vez tive o prazer de colaborar ao nível do design gráfico.
A ilustração da capa é da Isabel Carlos.

(desde Maio de 2010: Está disponível para download aqui!)

3.16.2010

Ontem foi tarde de pinturas...

...cá por casa!


Ontem, mãe e filho deram uso aos pincéis.
Das pequenas mãozinhas do Si. saíram linhas de muita cor, de fazer inveja à mãe!
Segundo ele, estão lá o céu, o sol, uma pista de corrida, os carros... E eu sei que sim! :)

Depois desta, muitas outras folhas foram sendo coloridas e a sala foi ficando coberta de inúmeras "pequenas obras-de-arte".


A mãe, acabou duas encomendas que neste momento já vão a caminho dos seus destinos.
Uma caixinha de música para o Estado do Piauí no Brasil, com o mesmo desenho de uma outra já feita por mim no ano passado. E outra para o Porto.


Também para o Porto, foi esta linda caixinha de música com o trabalho em metal.
Esta foi feita pelo Pai, para uma Sra L.


No ínicio deste mês falei aqui da "Troca".
Christine Chitnis partilhou hoje aqui, no seu "Lavender and Limes", 
as fotos e as palavras acerca do que lhe enviei!

 


3.14.2010

Little pieces of my Wonderland


Reencontrei o meu caminho... E uma árvore velha para abraçar.
No chão, as pedras caídas, que um dia vou levantar...

Mais sobre este pedacinho de sonho: Aqui, aqui e aqui.

3.11.2010

Sotão da memória

Guardo para mim palavras, que tenho medo de mostrar.
Nas poucas visitas que faço a cadernos antigos, leio coisas que outrora fizeram sentido.
Libertar é importante, para a frente é o caminho, mas o passado faz parte de nós. E ajuda-nos a avançar.
A memória...
Em lugares recônditos da memória guardamos experiências, sentimentos... imunes ao Tempo.
Certos dias, ou pequenas coisas... um som, uma brisa, uma palavra, é o suficiente para que voltemos ao sotão da memória e sacodindo a poeira e a teia, fazemos re-descobertas.
Não que isto seja importante.
Partilhar isto não era importante.
Mas esta mensagem tem algo de importante e foi ela que me levou, hoje, ao sotão da minha memória.

São só vontades,
São só desejos,
São só metas por vencer.
Ao temê-las não encontro
A essência do meu ser.
Porque luto?
Porque vivo?
O que me faz avançar?
Que desejo mais profundo
Me impede de parar?
Aqui estou eu
E continuo
Tantas voltas já dei…
Tenho mágoas
Travei guerras, lutas,
Fiz tréguas,
E não sei para onde irei.
O caminho é confuso
Quero ver uma só luz
Trémula, difusa, intermitente
Mas estar certa de que não mente
E ao meu destino me conduz.
Sou viajante na luz,
Até viajante sem viajar,
Dentro tenho a vontade
Que me faz saltar abismos
Cair e levantar.
Mas a queda marca
E cada dor é mais um medo,
É um grito rouco e louco
Que segredo a um rochedo.
Insisto e o medo persiste
E não me contento
Mas preciso parar.
O rochedo sem vida
Conforta-me e faz-me pensar.
Tenho medo
De não esquecer
Tenho medo de não lembrar.
Quero lembrança
Doce e linda,
Sem a velha mágoa,
Mágoa minha,
Minha amiga na solidão
Porque cá dentro estou sozinha,
Sem o conforto de uma mão.
Mão amiga,
Doce e suave
Que viaja no meu braço
Mas viaja, parte e deixa
A lembrança de um abraço.
Vida feita de encontro
Desencontro e despedida,
Vida feita de papel escrito
Início, fim,
Regresso, partida.
Palavras mudas
De saudade,
Breves momentos
De alegria,
Longas buscas de perdão
Caminhadas na incerteza
Por entre pedras nuas
E ilusão.
Na ilusão, desilusão
Reencontro de novo a razão
E dou paz ao sentimento
Para deixar de ser tormento
E ser só recordação.
Luto, enfim, pela paz.
Amo, enfim, a vida.
Regresso, por fim, e descanso.
Não mais estou perdida.
O arrepio percorre a espinha
É inútil negar.
Esquecer é impossível
E é tão bom recordar.

Quinta de Santa Fé, 2006

3.01.2010

A Troca | The Swap


As últimas semanas têm sido preenchidas de trabalho.
Entre o pincel e o rato.
... Ora em mancha, ora em linha, formas e texto.
Sempre de cor. - (Com entrada de uma nova cor na minha vida... talvez fale sobre isto num outro dia!)
... Entre a publicidade, páginas de revista, e a decoração.
... Entre o trabalho voluntário e o remunerado (que também é preciso!)
Sempre um prazer.

Entre a azáfama dos trabalhos, a atenção que um menino de quase 3 anos exige e ainda os intermináveis "afazeres" domésticos, tem sido difícil actualizar o blog.

Mas... não quería deixar de falar da "Troca".
Proposta pela Alice no início deste ano, como uma tentativa de curar, superar, os "january blues" que por alguma razão, um pouco por todo o mundo, algumas de nós, parecíamos estar a sofrer. Não seríam mais que apenas os «"ups and downs" das ondas, das marés, do ciclos da vida...» de sermos mulheres - segundo a Isabelle, e eu acredito que sim.
Pois bem. A precisar de algo que me alegrasse um pouco, aceitei o desafio da minha primeira "troca", por sinal, muito internacional!
A Alice escolheu os temas: Home, Natural, Scented, Vibrant e Delicious.
Com alguma pena minha não escrevi logo no dia em que recebi a "minha encomenda".
Vinda da Nova Scotia, Canadá, das mãos da Shelagh Duffett (Alice in Paris Loves Art and Tea).
Alegrou sim, sem dúvida o meu dia. É sempre bom receber presentes!
A Shelagh deixou ao meu critério a ligação de cada item ao respectivo tema ou temas.
Bom. Posso dizer que a maioria era delicioso - a maior parte comestível, já foi ou está a ser consumido.
Eis as cores... que sabores e aromas guardo para mim!

A minha encomenda, foi para a Christine do "Lavender and Limes", para a costa Este dos Estado Unidos da America. Espero ansiosamente que ela a receba e me conte se gostou.

Foi um desafio interessante dedicar algum tempo na escolha, interpretação dos temas, na "busca" dos gostos de alguém novo para mim - Christine - e que só tive oportunidade de "conhecer" agora através do seu blog.
No meu primeiro contacto com o "Lavender and Limes" encantaram-me as suas incríveis fotos da Índia na altura da sua cerimónia de casamento Hindu. São absolutamente magníficas as cores da Índia.

(I am sorry dear friends "english speakers"... It is too much to translate this time, when time is short...)

Jaipur Flower Market
Photo: Christine Chitnis

... E os meus pensamentos voam...
... E eu não consigo conter o desejo de um dia conhecer aquele lugar mágico e ancestral.

... And my thoughts fly away...
... And I can not avoid the desire of knowing that magical and ancient place one day.